quinta-feira, 3 de julho de 2008

Mornos cuspidos por Deus


Primeiro recorte que corta
o curto ínfimo
o lado menos belo do meu ser
você arranca
e joga meu verso
em cima do papel
feito um pedaço de carne meu
na mesa fria do açougue
entre perna e coração.
Tinha tantos outros cortes
no meu texto esquartejado
mas você recortou por primeiro
o sadismo que eu despi
feche as obras completas de Freud
e escreva de novo pra mim
esse corte que corta é um véu
que me faz mais humano talvez

agora que posso ser
um sádico também
você vai me querer?

mornos cuspidos por deus
mornos cuspidos por deus
distância morna foi aqui
mornos você e eu.

Mornos cuspidos por Deus, de Juan Trasmonte (Creative Commons)
Foto "Weeki wachee spring", de Toni Frissell

5 comentários:

Carolina Z disse...

Juan, que coisa mais fantástica... estou encantada com você e suas letras. Obrigada por me adicionar no BG! Esteja certo: quem saiu ganhando fui eu.

Letícia Castro disse...

Mmmmmm eu adoro esses poemas escarnados, que rasgam o coração pela pele.
Parabéns, Juanito, ainda não tinha apreciado a sua veia poética. Prometo que vou me aprofundar mais.
Adorei!
Besotes!
Letícia.
http://babelpontocom.blogspot.com

PS: É, eu fiz a menção sobre o Digg não aceitar conteúdo em inglês com base naquele email que vc me mandou. Comigo ainda não aconteceu, eu fico insistindo, vamos ver no que dá. Mas eles têm que adotar uma nova postura, sem dúvida e vc fez bem de se eximir do site. Beijo!

Juan Trasmonte disse...

Muito obrigado pelos elogios, Carolina. Vc é muito generosa.
beijos

Juan Trasmonte disse...

Lelê, o Digg já era rssss. Agora já estou em outra batalha com o robô do AdSense. Não quero anúncio do tipo "Deus ama você" no Nemvem. Mas como não estou conseguindo me logar no bicho, também não posso bloqueiar. Enfim...
besos!

Jorge C. Reis disse...

Olá Juan
Vi retribuir a visita e gostei muito do que vi. Poema lindo e belíssima imagem.

Estaremos em contacto no diHITT, até porque o vou seguir tbm.

Vou tomar a liberdade de colocar um link no meu blog para o seu.

Abraço
Jorge