quarta-feira, 29 de abril de 2009

Dez versões estrangeiras de músicas brasileiras


Esperanza Spalding


Pink Martini


Pizzicato Five


Arcade Fire


1. Pink Martini – Tempo perdido
Pode ser criticado o ecletismo do Pink Martini, mas o som deles é irretocável. No Hey Eugene, seu mais recente disco -que já tem dois anos- eles gravaram uma versão muito digna de Tempo perdido, do grande Ataulfo Alves, que originalmente gravara Carmen Miranda em 1933, abrindo as portas do sucesso para Ataulfo.

2. Sinéad O’Connor – How insensitive (Insensatez)
Em seu disco de 1992, Am I not your girl?, Sinnéad gravou as músicas que ouvia sendo uma criança, canções que segundo ela, fizeram que se tornasse cantora. O clássico de Jobim e Vinicius, em inglês, tem toda uma carga inédita que só a cantora irlandesa consegue reformular. Bom, a essa altura não preciso dizer que tenho uma queda por Sinnéad, certo?

3. Pepino Di Capri – Ancora con te (Outra vez)
Da grande compositora paulistana Isolda, responsável por várias gemas do Rei, esta versão italiana gravada em 1985, na mesma linha da original, por Pepino Di Capri.

4. Jim Capaldi com George Harrison – Anna Julia
O baterista da histórica banda Traffic era casado com uma carioca chamada Ana. Quando ouviu o megasucesso do Los Hermanos, fez questão de gravar. Levou a música pra Inglaterra e contou com a breve participação do seu vizinho ilustre, George Harrison, que iria morrer pouco depois. A música teve ainda o Ian Paice, lendário baterista do Deep Purple. Jim também já subiu e se ainda faltava mais fama a essa música de Marcelo Camelo, ficou lá imortalizada em inglês como a última gravação em colaboração do saudoso George.

5. Queen Latifah – Quiet nights of quiet stars (Corcovado)
Jobim é o xodó dos compositores de jazz e das cantoras dos Estados Unidos. Queen Latifah faz bonito nessa versão de Corcovado, com ginga de bossa nova.

6. Arcade Fire – Brazil (Aquarela do Brasil)
Uma das músicas mais gravadas pelo mundo fora, também caiu nas graças da banda canadense multi-instrumental Arcade Fire. Lançado em 2005 como lado B do single Cold Wind. Uma versão simpática dominada pelas cordas, que lembra a dimensão da criação de Ary Barroso.

7. Art Garfunkel – Waters of march (Águas de março)
Aqui faltou tempero. A metade do lendário Simon & Garfunkel canta com seu habitual jeito doce mas não acerta no ritmo do clássico do Jobim.

8. Pizzicato Five – The Girl from Ipanema (Garota de Ipanema)
Adoro esses japoneses malucos do Pizzicato Five. Pena que eles acabaram. No seu jeito retrô-kitsch eles seguem a tradição japonesa que pouco cria e tudo recria. E eles fizeram uma criação mesmo com Garota de Ipanema, apesar das trossentas versões que já existiam em 1997, quando foi lançada a dos Pizzicato na coletánea Lounge-A-Palooza.

9. Attaque 77 – Amigo
Assim como várias bandas do rock brasileiro fizeram versões de músicas dos hermanos -algumas com bastante sucesso e sem conhecimento da origem- também existem as versões em espanhol de músicas brasileiras, feitas por bandas do rock argentino. O Attaque 77 é um grupo de hard rock surgido na década de noventa. Eles eram bem fraquinhos no começo, mas com os anos de estrada ficaram melhores. A inocente Amigo, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos virou um rock de guitarras sujas que já fez pular bastante à galera.

10. Esperanza Spalding – Ponta de areia
Uma das mais novas queridinhas do jazz estadunidense, Esperanza é boa de palco, canta bonito e encara o contrabaixo acústico. No cd que leva seu nome, Esperanza gravou a belíssima Ponta de areia, de Milton Nascimento e Fernando Brant. Diferentemente da Jane Monheit, que assassinou o português na sua ininteligível Só tinha de ser com você, Esperanza se esforçou na fonética. Deu certo.

Pra começar, é lista, não é ranking, então como sempre escrevo, a ordem não indica valor. E como a lista de versões gringas de músicas brasileiras é imensa, escolhi essas dez que, de uma ou outra maneira acrescentam valor ou representam curiosidade.
Com autoridade de gringo posso dizer que neste quesito se bem prefiro a grande maioria das versões originais, gosto de ouvir outras aproximações à música brasileira, desde que sejam feitas com respeito intelectual. Isto é pode virar a música de ponta-cabeça, mas não pode canibalizar sem nenhuma proposta artística. Enfim, poderá haver segundas partes para esse item.


Foto de Esperanza Spalding de Johan Sauty
Foto de Pink Martini de Sherri Diteman
Foto de Pizzicato Five de Soren Hitting
Foto do Arcade Fire de Wendy Lynch

10 comentários:

Luciana disse...

Gente, amei isso!!!
Estou ouvindo Pepino Di Capri – Ancora con te (Outra vez) neste momento... Que viagem!
Que DELÍCIA!!!
Que ideia fantástica, Juan,você precisa fazer isso mais vezes...
Amei esse post, as músicas, tudo!
Beijos, querido, você sabe mesmo fazer um belo post!

Nana disse...

Nossa! Despertou minha curiosidade para ouvi-los. Que barato Juan!!!
Fui lá no youtube..adoro Ponta de Areia. Ficou maravilhosa na voz de Esperanza!!

Bernardo Guimarães disse...

porreta, gringo,porreta!

maria guimarães sampaio disse...

Mais de 25 anos, na Grécia havia o hábito dos atenienses aos domingos de tarde irem à salões de hotel onde comiam doces e dançavam ao som de grandes orquestras.
Aninha e eu no bar em frente ao salão, tomando cafezinho, jogando buraco de testa, comovidas já estávamos quando quase todos levantaram para dançar "Aquarela do Brasil" (cantada em que língua?). Como se tudo isto fosse pouco, o garçom me comunica "Garrincha morreu" (dito em que língua?). Nem sei falar inglês, que dirá grego...

Juan Trasmonte disse...

Agradeço a todos pela presênça, sempre!
Maria, que cena mais bizarra!
Valeu Lu, Doutor Bernardo e filhota Nana!

Daniela Figueiredo disse...

Que jóia isso! Vou atrás destas músicas para saber a versão estrangeira. Uma que amo de paixão, nas duas versões, é Samba da Bênção, que em francês virou Samba Sarava.
Uma vez assisti a uma entrevista do Ivan Lins reclamando da versão americana de Começar de Novo, mudaram toda a letra, e com ela o tema principal que fala da mulher, do contar consigo mesma. Adorei sabe destas versões. Beijos pra ti.

Eliel disse...

Post fantástico! Gostaria de saber se alguém já gravou Gonzaguinha fora do Brasil. Se não, estão devendo e perdendo!

mara* disse...

Não me canso de ouvir Anna Maria Jopek, com sua voz sedutora e melancólica, a cantar 'Apelo' de Badem Powell e Vinicius de Moraes na lingua áspera e doce que é o polaco.

Luiz Otávio Naufel disse...

Gostei do artigo, muito bom, mas faltou Bate Forte o Tambor em Russo. Se alguém quiser ver, procure por isso no You Tube: .

Ticiana disse...

Legal.
Tem dois sites com várias outras versões:
http://simplescomooar.blogspot.com.br/
http://originalouversao.com.br/