terça-feira, 7 de abril de 2009

Cartas inéditas dos autonautas



A semana próxima será editado o livro Correspondência. Julio Cortázar, Carol Dunlop, Sylvia Monrós-Stojakovic, que reune nove cartas e cartões do autor de O jogo da amarelinha, cinco da sua esposa, a canadense Carol Dunlop e outras tantas da fotógrafa sérbia, amiga deles.
As cartas, todas dos primeiros anos da década de oitenta, contam o processo criativo de Os autonautas da cosmopista, o livro que Cortázar e Carol escreveram juntos, na estrada que une Marselha com Paris.
Como não tenho notícias sobre a publicação do livro em português, resolvi traduzir um fragmento de uma extensa carta de Carol para Sylvia, onde ela mostra a sua felicidade pela experiência, a sua aflição pela saúde do escritor que tinha diagnóstico de leucemia, embora ele não sabia. Porém, Carol morreu antes que Cortazar, pouco mais de um ano depois de escrever essa carta.
Os editores resolveram manter os erros do original, tratando-se de uma anglo falante que escreveu em espanhol. E eu tentei "traduzir" esses erros. Vocês vão ver, por exemplo, a palavra civilizado, escrita com o esse e outros detalhes mais que mantém o espírito original. Acho que vale a pena.

Aix-En-Provence 10-VIII-81

(...) Outro momento do dia -faz nove ou dez dias que estamos vivendo no caminhãozinho, à beira da Autopista do Sul, mas eu voltarei a explicar tudo, é uma linda loucura- e o grandalhão diz que já está na hora da bebida da tarde. Já bebemos, que foi bom, era vinho porque quando saimos de Paris calculamos mal a ração de uísque, mas depois de amanhã vêm amigos à la rescousse com provisões.
E tenho que te explicar porque estamos vivendo na estrada desde 23 de maio e porque não vamos sair dela antes de 26 de junho. Faz quatro anos, no ano em que eu acabei as minhas férias na sala de reanimação de um hospital de Marseille, depois da minha convalescência na mesma casa onde Julio passou a dele no ano passado, subimos para Paris muito devagar de carro, pela estrada, mas levando uns seis dias, porque ainda eu não estava muito forte e viajar nessa condição cansa.
E daquela viagem, que finalmente foi linda, nos nasceu a idéia de fazer um dia a viagem de Paris pra Marselha, parando um dia em cada parking, e escrever juntos um livro ao redor da experiência, debochando dos antigos exploradores e gozando da ironia de pegar o caminho mais rápido e mais “civilisado”, para fazer uma viagem realmente de tartarugas.
Várias vezes já tinhamos planejado a coisa -a última quando Julio ficou doente- e sempre alguma coisa nos impedia na última hora. Então, esse ano apagamos as datas entre 23 de maio e o final de junho nas agendas e resolvemos fazê-lo custe o que custar. E aqui estamos. Tivemos que mudar um pouco as regras do jogo quando depois de ter estudado o mapa da estrada percebemos que tinha uns 66 parkings e não poderiamos passar mais de dois meses. Então são dois por dia e é muito mais maravilhoso do que a gente imaginou.
O mais impressionante é que talvez desde o segundo dia, achamos tão normal viver assim, que as vezes nos perguntamos porque não viver sempre assim?
Em dez dias fizemos uns 140 kilômetros e vamos descobrindo a cada vez mais a outra estrada, essa misteriosa e secreta via paralela onde no final, é um pouco “todos os parkings o parking”.
A linha do asfalto feita para ir de um lugar para outro virou uma coisa quase abstracta e até estamos a nos perguntar, as vezes, se não teremos chegado a imovilidade total; se não será a autopista e os parkings que se mexem, e não a gente.
Estamos felizes, loucos. Finalmente entramos em um espaço que nos da tempo.

Carta de Carol Dunlop a Sylvia Monrós-Stojakovic (fragmento)
Versão para o português de Juan Trasmonte (Creative Commons)
Foto de Julio Cortázar e Carol Dunlop à beira da estrada Paris-Marselha, do arquivo pessoal do escritor

9 comentários:

Luciana disse...

Oi,Juan,

Passando pra te desejar uma excelente Páscoa, com muita alegria, descontração e chocolate!

Beijos!

Lu

Bernardo Guimarães disse...

ô amigo, só mesmo vc pra nos trazer
coisas interessantes como esta.
um abraço

maria guimarães sampaio disse...

É formidável a idéia da viagem deles. A carta emociona. E Carol, morreu de câncer também? Procurarei no google se existe a tradução (não creio, aqui só se traduz os bestseller da vida - quis dizer o nome daquele menininho de óculos... esqueci).
Estou feliz por Bernardo haver te conhecido e agora Juliana minha sobrinha.
Beijos de Maria

Renata Belmonte disse...

Juan,
Vou quase todos os anos para Buenos Aires. É a minha cidade favorita no mundo. Para vc ter uma idéia, minha comida preferida são as ostras do Piegari, um restaurante italiano que fica no Recovas Posadas. Com certeza, se eu for este ano, irei te escrever.
Um abraço,
Renata

Maria Muadiê disse...

pôxa, que presente. Obrigada pela delicadeza de traduzir para o português.
um beijo

Jú(liana) disse...

Ju(an)!!!!

Estarei chegando aí amanhã a noite ...
Bernardo já me passou seu telefone!
No blog de Maria tem uma foto minha com meu irmão numa das ultimas postagens!!! Vai lá p ter uma ideia da minha "figura"!!!!!!
Beijos e inté já!

Jú(liana)

Juan Trasmonte disse...

Valeu Jú !!!
Só preciso saber até quando você vai ficar, porque tenho que provindenciar os discos que foram roubados!!!

Jú(liana) disse...

Fico até 16/abril (meu voo é as 11:45).
Ah ... e vá se preparando ... Maria quer fotos sua!!!!! Vai virar top model!!!!!
Bjos

* esqueci de perguntar! Quer algo daqui?!!!! Amanha passarei o dia nos aeroportos (salvador e são paulo!) Pense q checarei mensagens! Meu email é jvsampa@hotmail.com e lembrando, como Bernaro falou, estarei aí de 10 a 16/04no Hotel Ibis)

Juan Trasmonte disse...

Gentes, essa postagem virou escritório de turismo rsss
Renata, te espero pra quando vc quiser vir por aqui.
Maria, a Jú já falou comigo, agora há pouco. A gente vai se encontrar nos primeiros dias da semana.
Alias, tenho que agradecer a você o fato de estar conhecendo toda essa gente linda.
A carta certamente era mais longa e não está traduzida. Se der tempo, um dia eu completo.
Beijos