segunda-feira, 13 de abril de 2009

And a dog named Boo



Meus amigos, estamos em problemas. Se o cachorro do presidente da principal potência mundial é uma razão de estado, não temos como não perder o rumo. Há meses que vejo na mídia notícias e mais notícias sobre esse assunto. E tudo coberto por um véu de mistério como se a questão fosse o arsenal de algum país do Eixo do Mal.
Quem diabo está interessado no cachorro de Obama? Quer dizer, quem deveria estar, além dele e dos coitados dos filhos a quem lhes foi prometido há meses?
Enfim, há dois dias que os principais jornais do planeta reproduzem a foto e dedicam extensas matérias ao novo "primeiro cachorro", doado pela família Kennedy e aceitado depois de uma "visita secreta". Juro que eu li tudo isso, não estou delirando.
Mas já sai viajando. Parece que o cachorrinho foi batizado com o nome Bo, que vem a ser o apelido do vovô das crianças, que vem a ser uma homenagem ao grande compositor e cantor de blues Bo Diddley.
Então eu lembrei de outro cachorro, menos famoso mas que teve lá seus quinze minutos que Warhol lhe prometeu a todo mundo. Tudo bem, tem um o a menos no nome, mas Boo foi o protagonista do grande hit de 1971, Me and you and a dog named Boo, do cantor de folk rock conhecido como Lobo.
O tal Lobo nos documentos é Roland Kent Lavoie. Em 1970, ele estava num bar de Tampa procurando uma rima para o verso "Me and you" quando viu aparecer do outro lado da porta o pastor alemão Boo, conhecido na área. Ele ganhou a rima e o refrão de um sucesso enorme.
Mas o produtor Phil Gernhardt que já trabalhava com ele e que já percebia que a música seria um hit, sugeriu a Roland mudar o nome. E Roland assinou como Lobo, a tradução para o espanhol de wolf. Pois é, na Florida todo mundo arranha um pouquinho de espanhol.
Me and you and a dog named Boo começou a multiplicar sua bonita e fácil melodía nas rádios, chegou ao Top 5 nos Estados Unidos e ao número 4 na parada da Billboard da Inglaterra. O pessoal achava que Lobo fosse uma banda até que o cara deu a ídem.
A carreira de Lobo continuou com moderado sucesso nos anos setenta, mas nada comparável com aquela primeira música.
Ele agora está quase aposentado, dedica seus dias a pescar, à sua plantação de laranja e outras cositas más. E de vez em quando pega o violão e vai fazer uma tournée pela Asia onde, como é sabido, tem mercado pra tudo.
E assim que lembrei da música fui logo pro Youtube e achei um vídeo maravilhoso da televisão inglesa, uma espécie de Os 40 Mais de 1971, um desses programas que botavam moças pra dançar e só. E a música-objeto é a tal.
Então, melhor do que ficar lendo essas notícias ridículas, conheça um cachorro pra valer, o Boo, e de quebra, veja como era a televisão quando não existia Big Brother:
Me and You and a Dog Named Boo



Foto de Bo, o cachorro de Obama, da Agência Reuters
Foto de Boo e o cantor Lobo, sem crédito do autor, achada no site The Back Bay-The Fans of Lobo Webpage

4 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

sou cachorreira nem vi nada sobre o cachorro de Obama. Adorei ver aqui Bo e Boo (serão parentes do disco novo de Caetano, Zii e Zie?)

Lafayette Hohagen disse...

É muito bom ler seu blog,meu caro Juan.Como estive viajando,coloquei em dia,os posts que havia perdido.
Não sabia também a razão da briga do Gabriel com o Mario (olhe só a intimidade)Grande abraço do Lafa

Juan Trasmonte disse...

Alias Maria, o Pedro Alexandre Sanches na Rolling Stone passou o trator em cima do novo disco do Caetano. Ainda não ouvi mas sou suspeito, já imagino que vou discordar dele.
bjs

Juan Trasmonte disse...

Lafa, muito obrigado por estar aqui. Aproveito alias para sugerir aqui a todos os meus cinco leitores pra dar um pulinho no Contos do Lafa, que tem uma ótimas crônicas.
Abs.