domingo, 26 de outubro de 2008

O outro lado do lado


A cidade de Bernardo de Irigoyen, na província de Misiones é o extremo oriental da Argentina. Com seus sete mil habitantes é como toda cidade de fronteira, um misto de línguas, culturas e moedas.
Do outro lado, na chamada Fronteira seca, as cidades brasileiras de Barracão, Paraná, e Dionísio Cerqueira, Santa Catarina.
A prosperidade desses últimos anos dos cidadãos de Irigoyen, sustentada pelo câmbio favorável está ameaçada agora pela loteria dos Estados Unidos.
Todos os dias, centenares de brasileiros atravessavam a fronteira para encher os carros de comida e os tanques de gasolina. Com a desvalorização do real a viagem não compensa mais.
Uns e outros estão lascados. De um lado perderam poder de compra e do outro os comerciantes demitem funcionários e olham para a fronteira parados nas portas das lojas, entre o tédio e a angústia, esperando algum milagre acontecer.

Foto de Carlos VP da fronteira entre Argentina e Brasil na cidade de Bernardo de Irigoyen, Misiones. Do lado esquerdo é Brasil, do lado direito, Argentina

5 comentários:

requeri disse...

a honra é minha ... toda minha!!!
sabe que eu to com o luiz lailo no msn e vi vc no mapinha do reblogg .... escrevi pra ele dizendo isso, abri outra aba, outro rebloggando e lá estava o seu comentário. ao que ele respondeu: o meu blog ta largado! hj não dá nem pro café!
tadinho!!! mas ele anda preguiçoso. eu disse pra ele ...

obrigada. beijo.

Túlio disse...

Essas cidades de dupla nacionalidade são um caso a parte mesmo. INcrível como a crise econômica pode afetar esses micromundos mais mesmo do que grandes cidades.

requeri disse...

ainda vou conseguir ordenar essa minha maltraçada vida pra deixá-la de um jeito que eu consiga visitar todo mundo, comentar, não ter q entrar 2 vezes por falta de tempo ..... beijo.
a vida nessas cidades, eu sinto que é frágil, as pessoas vivem experimentando lá e cá ...

Juan Trasmonte disse...

É verdade Túlio, esses dias estou pensando que nas grandes cidades a tal de crise é para muitos uma ótima desculpa para as contas que já não fechavam.
Aliás, recomendo a todos visitar o blog de Túlio que tem crónicas ótimas e sem adoçante sobre o cotidiano de um brasileiro em Buenos Aires.
Abs.

Juan Trasmonte disse...

Regina, o dia em que a gente conseguir visitar todo mundo já vai ser outra vida, bem-traçada, mas não será mais vida rsss
bjs