terça-feira, 16 de dezembro de 2008

A revolta dos sapatos



O ato simbólico do jornalista Muntazer al-Zaidi vai ficar gravado na história.
No meio dessa maré do absurdo pra gente pareceu mais uma notícia, uma outra brincadeira pra subir ao Youtube. Mas para uma nação ocupada que convive com o invasor no dia-a-dia, tem um valor que só a história poderá mensurar.

Foto de protesto em Sadr, Iraque, da Agência AP

13 comentários:

LETÍCIA CASTRO disse...

Ju, as sapatadas lavaram a nossa alma, a minha, com certeza. rs Só lamentei não ter acertado de fato, porque um ato desses merecia ter sido completo. Mas já valeu.
A história vai ser justa, tenho certeza.
Besotes pra vc!

ninha carioca disse...

Algumas vezes o sistema judicial é cego, surdo e mudo....enton aparecem os sapatos pra mostrar o sentimento da gente.
Bjs

mara* disse...

Além da infinita hipocrisia, houve um mar imenso de sabedoria e o sapato criou vida.

Voltando das férias te abraço com carinho.

mara* disse...

Ah! As imagens mostrando Bush ao lado do primeiro-ministro do Iraque, e agora com o título do seu post lembrei de George Orwell com sua 'Revolução dos Bichos'.

....Não havia dúvida, agora, quanto ao que sucedera à fisionomia dos porcos. As criaturas olhavam de um porco para um homem, de um homem para um porco e de um porco para um homem outra vez; mas já se tornara ímpossível distinguir quem era homem, quem era porco.

E o sapato criou vida!

Moura disse...

Amigo Juan, a verdade é que milhares ou até milhões têm este desejo contido por diversas razões, mas acredito que as costelas e a mão (isto é o que foi divulgado) quebrados do jornalista servem pra mostrar que muitos querem quebrar a cara do arrogante e prepotente que afundou a maior potência econômica mundial, mas não têm, ou não tiveram coragem para tal feito, por isso só lamento pela surra que o jornalista tomou.
E também concordo com a amiga Letícia Castro, ou seja, os sapatos tinham que acertar o alvo.
Aproveito ainda para desejo um ótimo restinho de semana com saúde, paz e sucesso!
Grande abraço,
Moura

Karla Nogueira disse...

Olá Juan, concordo com a Letícia. Seu ato representou a vontade de muitos...rs Com ou sem Bush, espero que o povo iraquiano possa encontrar um caminho para paz.

Beijos

Martina disse...

Joao!!
Voçe me tem esquecida!
Me debe umas quantas copas! Vamos beber? rsrsrsrs

Juancho!
Te tengo que andar rastreando hermano!
Sigo esperando la sirena de los bomberos que anuncie tu llegada...
Sabés que siempre te recuerdo con mucho cariño.
Un abrazo enorme porteño!


La Martu

Bernardo Guimarães disse...

pra mim nem precisavam atingirm o alvo, as sapatadas! o gesto nos basta! se tivesse dado um tiro, o jornalista teria nosso repúdio; com os sapatos, tem nosso respeito e admiração.

Juan Trasmonte disse...

Bernardo, você deu na tecla.
O mais interessante desse episódio -na ordem do simbólico- é o fato dele ter escolhido atirar com o sapato. E mais ele chamou Bush de "cão", que no mundo ârabe é um insulto forte. Ele representou exatamente o sentimento de rejeição do invadido pelo invasor.
Abs.

Edu O. disse...

e tanta coisa/gente merece uma sapata! fico pensando nessa coisa de história... estamos vivendo um momento histórico, 2008 foi/é um ano histórico, estamos dentro desse turbilhão. uma história que já se faz no presente.

Juan Trasmonte disse...

Saudades, Mara, que bom que você voltou!
Agradeço a todos os comentários e as sapatadas!
Abs.

Juan Trasmonte disse...

Ah, sim, Karla, acho que todos os homens e mulheres de boa fé esperamos que o povo iraquiano possa achar a paz. Eles já sofreram demais da conta. Sem contar com todo o património da humanidade que foi destruído por essa guerra ridícula.
Legal te ver por aqui, volte sempre.
bjs

Juan Trasmonte disse...

Martu!!! Qué hacés acá??? jaajaja
Besos