sábado, 29 de novembro de 2008

Vamo fazer barulho



Deixa, deixa, deixa, eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar...

Segura!

Deixa, deixa, deixa, eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar...

Eu já falei que tenho algo a dizer, e disse
Que falador passa mal e você me disse
Que cada um vai colher o que plantou
Porque raiz sem alma como o flip falou, é triste

A minha busca é na batida perfeita
Sei que nem tudo tá certo mas com calma se ajeita
Por um mundo melhor eu mantenho minha fé
Menos desigualdade, menos tiro no pé

Andam dizendo que o bem vence o mal
Por aqui vo torcendo pra chegar no final
É, quanto mais fé, mais religião
A mão que mata, reza, reza ou mata em vão
Me contam coisas como se fossem corpos,
Ou realmente são corpos, todas aquelas coisas
Deixa pra lá eu devo tá viajando
Enquanto eu falo besteira, nego vai se matando
Então

Deixa, deixa, deixa
Eu dizer o que penso dessa vida
Preciso demais desabafar

Ok, então vamo lá, diz
Tu quer a paz, eu quero também,
Mas o estado não tem direito de matar ninguém
Aqui não tem pena de morte mas segue o pensamento
O desejo de matar de um Capitão Nascimento
Que, sem treinamento se mostra incompetente
O cidadão por outro lado se diz, impotente, mas
A impotência não é uma escolha também
De assumir a própria responsabilidade
Hein?

Que cê tem e mente, se é que tem algo em mente
Porque a bala vai acabar ricocheteando na gente
Grandes planos, paparazzo demais
O que vale é o que você tem, e não o que você faz
Celebridade é artista, artista que não faz arte
Lava a mão como Pilates achando que já fez sua parte
Deixa pra lá, eu continuo viajando
Enquanto eu falo besteira nego vai, vai
Então deixa

Deixa, deixa, deixa
Eu dizer o que penso dessa vida
Preciso demais desabafar

Desabafo, de Marcelo D2, com sampler de Deixa eu dizer, de Ronaldo Monteiro de Souza e Ivan Lins, interpretada por Cláudia

Está aí A arte do barulho, o novo album de Marcelo D2, primeiro que ele faz para a EMI, que já começou fraca, nem o release colocaram ainda no site.
Mas o que interessa é que D2 se firma em uma química dificílima como é a de levar elementos do samba para o rap e fazer com isso uma criação de um som diferente.
Desde que o mentado crossover virou moda e etiqueta, todos os dias conhecemos uma salada que traz mistura, mas quase nunca singularidade. D2 é um dos pouquíssimos artistas que conseguem isso.
Na primeira leitura diriamos que a fórmula foi citar, por exemplo, Argumento, de Paulinho da Viola no meio do som dele. Mas há uma segunda leitura. Não foi por ele gritar no palco "Salve Jovelina Pérola Negra" que os sambistas lhe-abriram os braços, mas por uma busca genuína que reconheceram nele. É um caminho que o artista chama de "procura da batida perfeita", que tem raíz no rythm and poetry (tão estadounidense), mas também no samba (tão brasileiro). É um cruzamento de linguagens que está até na atitude dele.
A cada nova obra ele atinge com mais sutileza esse estilo próprio. O som tão atual desse barulho novo (nota dez para o produtor Mário Caldato Jr.) é ao mesmo tempo, carioca e cosmopolita. Marcelo D2 traz o que não abunda: novidade no classicismo e classicismo na novidade. Ou seja arte.

Foto de Marcelo D2 de Washington Possato

3 comentários:

Moderna Lapa Retrô disse...

Juan, essa música é pra mim o hit do verão 2009 na Lapa e no RJ. A mulher pedindo pra desabafar faz do refrão de D2 um grito da galera jovem e antenada. Essa semana já estava programado no blog pra postar essa música como a minha aposta do verão da Lapinha.
Que bom que pensamos igual nesse quesito...
Bjokas!

mara* disse...

Não conheço, não custa conhecer. Deixo um abraço.

Moura disse...

Grande Marcelo D2, e mais ainda Juan que nos traz esta bela interpretação do D2 que é um artista que admiro por seu ritmo, ginga, composições e belas interpretações.
O D2 está sempre antenado às questões sociais, e isto é bom.
Saúde, paz e sucesso!
Abraço,
Moura