terça-feira, 27 de maio de 2008

Estigma


Pessoas deixam marcas
água na terra lama
almas alagadas
marcas pessoas maré
pessoas marcha a-ré
pessoas são como agulhas
comem pelas bordas
zumbam na orelha
foto flash na pele
lume quieta cicatriz
pessoas não são leves
não quebram como cristal
nem andam de lá pra cá
com passos de bailarina
pessoas locomotivas
pessoas loucos motivos
pedras dedo na chaga
entram pela porta
ficam na sala de espera
salgam sua salada
depois bebem sua água
pessoas deixam marcas
migalhas nas entranhas
deixam marcas.

Estigma, de Juan Trasmonte (Creative Commons)
Foto de Cézayän

5 comentários:

Pequena Garota Perdida disse...

belo texto .

/Doação de Fotos

:-*

carla m. disse...

a foto ficou perfeita com o texto...

impressionante como podem se conjugar.

Barb! disse...

Juanito: me encantó tu blógui. Hacía mucho que no pasaba por acá a ver las novedades...
Um abraço,
Hermana fotografa

Juan Trasmonte disse...

Pois é Carla, achar fotos pros meu poemas deve ser o mais difícil, porque a foto precisa referir o poema sem ser óbvia e também eu tenho que gostar da foto. Essa eu tinha guardado pensando em outro poema, mas ficou perfeita aqui.
Obrigado pela visita

Juan Trasmonte disse...

Obrigado Pequena!
Gracias Sister Barbie!