terça-feira, 12 de maio de 2009

O dono do carrossel


Os imigrantes e as suas histórias. Sempre digo que os nossos países foram construídos por imigrantes e sempre estou atrás das notícias sobre imigração. O tránsito entre fronteiras aumentou na medida em que as regras do jogo da economia mudaram. E o maltrato aos imigrantes -esses novos excluídos da prosperidade- só aumenta na mesma proporção.
A trajetória de Antonio Vila e apenas uma entre milhares daqueles homens e mulheres que como nossos avós chegaram à América sem um tostão e que aqui acharam o ouro da esperança.
Don Antonio nasceu em Orense, na Espanha. Sendo criança trabalhou na colheita de trigo. Com o advento da Segunda Guerra Mundial foi recrutado no batalhão dos galegos. Ainda leva as cicatrizes nas costas como estigma do horror da guerra.
Em 1949, veio pra Argentina. No bairro de Pompeya, em Buenos Aires, conheceu quem seria sua mulher para a vida toda e também uma família que tinha um carrossel.
Antonio fazia bicos durante a semana (“sobrava trabalho”, lembra) e começou a trabalhar nos finais de semana no carrossel.
Um dia ele percebeu que esse poderia ser seu ofício. Conseguiu que umas pessoas no interior, fabricassem o carrossel que veio desmontado, de caminhão, até Buenos Aires.
Foi instalado no bairro de Constitución e inaugurado no dia primeiro de janeiro de 1963. Depois foi levado para a praça Almagro, onde até hoje funciona.
Um carrossel, com seus carrinhos e cavalinhos de madeira a girar, parece um milagre na época do PlayStation. Mas milagres acontecem de vez em quando.
Na semana passada, don Antonio Vila fez 90 anos e continua lá, à frente da sua calesita (em espanhol, carrossel). “Não é um trabalho pesado -diz- porque a alegria das crianças contagia”.

Texto escrito partindo de informação colhida no jornal Clarín
Foto de Antonio Vila de Martín Bonetto

4 comentários:

Luciana disse...

Calesita?
Que diferença, Juan!
Nada a ver com carrossel.
Adorei a história. Confesso que se eu fosse falar da diferença da língua, a apalvra mais engraçada que eu acho em Espanhol é SACAPUNTAS. Acho que ganha de todas (rs).

Beijos!

Juan Trasmonte disse...

Rsss sacapuntas é engraçada mesmo. Existe carrusel em espanhol também, mas aqui todo mundo usa calesita. Na Espanha chamam de tiovivo, mas preciso pesquisar essa etimologia.
bjs

Anônimo disse...

No dia que subi naquele cavalo na loja de departamentos, viajei pelo mundo todo. Pena que a viagem só durou 5 minutos.
Ainda bem que aí tem carroussel...
Inveja.

Bia Alves.

marce. disse...

O carrossel é um lugar cheio da magia. Quando começa a girar adultos e crianças entram numa espécie de universo paralelo onde tudo fiça legal...Ainda lembro uma tarde outonal, chuvosa,quando o donho da "calesita" deixou que o meu filho, a minha prima e eu, ficáramos a tarde toda girando sim parar...Maravilha. Bjos