domingo, 19 de julho de 2009

Onde estava você quando o homem pisou a lua?



Quando eu me encontrava preso, na cela de uma cadeia
Foi que eu vi pela primeira vez, as tais fotografias
Em que apareces inteira, porém lá não estava nua
E sim coberta de nuvens
Terra, terra,
Por mais distante o errante navegante
Quem jamais te esqueceria


Os versos de Caetano Veloso, do clássico Terra, fazem referéncia as fotografias da Terra feitas desde a lua, na missão Apollo 11, que acontecia enquanto ele era preso pela ditadura brasileira, há exatos quarenta anos.
Eu tenho umas lembranças muito difusas de ter assistido ao momento em que os astronautas desceram na lua. Não lembro tanto das imagens quanto da sensação de que alguma coisa importante estava acontecendo. Lembro que o mundo parou. Lembro da minha família reunida na frente da tevê. Eu estava sendo testemunha da história, mas minha cabeça infantil não percebia nem de perto o que aquilo significava.
Para mim sempre foi mais surpreendente -e talvez continue sendo- nem tanto o fato do homem pisar a lua quanto o fato do planeta inteiro assistir à cena na televisão. Eu sei agora mais ou menos o valor que aquela viagem representou em termos científicos. Mas aquilo para mim não foi a chegada do homem na lua mas a invenção da televisão.
Na medida em que meu encantamento infantil pela imensidão espacial crescia, também aumentava em mim a sensação de profanação. A lua era negócio de poetas, era para se contemplar e não para enfiar uma bandeira nela. Essa sensação até hoje me acompanha.
O escritor francês Júlio Verne já em 1865 publicou Da terra à lua (De la Terre à la Lune), onde uma corporação estadunidense lançava um projétil (com três astronautas e desde Tampa!) para atingir a lua.
Por aqui e em outros paises o 20 de julho ficou no calendário comercial como o Dia do Amigo. Essa noite, apesar da crise, o frio e a Influenza, os restaurantes vão ficar lotados.
Meu sentimento inconsciente de profanação daqueles dias se traduz na ausência dessa celebração. Se é para encontrar amigos, qualquer dia menos esse.
O homem quis conquistar a lua desde tempos imemoriais. Continuo preferindo o olhar contemplativo dos poetas.



Fotos do The Project Apollo Image Gallery

11 comentários:

requeri disse...

eu também prefiro a lua daqui. melhor do que toda pisada ... beijo.

Anônimo disse...

Pergunta indiscreta... kkkkkkkkkkkkkkk

E por mais que a Nasa envie foguetes, homens, satélites a lua sempre será de São Jorge!
Salve Ogum!
Salve Oxóssi!

Bia Alves.

Edu O. disse...

como eu não havia nascido ainda, devia estar lá por perto dos astronautas, num lugar que não conseguiram fotografar, para entrar na fila do nascimento somente em 76. Dizem que os anjos moram no céu, né?

Bernardo Guimarães disse...

SÓ ME LEMBRO DE SENTIR QUE A LUA PERDEU A VIRGINDADE!

Ariana disse...

Também prefiro o olhar contemplativo dos poetas, é mais romântico.
Muito bom o post, Juan!

Ah, ando sumida porque estou em férias, viu...


Beijos!

Janaina Amado disse...

Ah, estava vendo tudo pela TV, incrédula, tonta, maravilhada!

Lafayette Hohagen disse...

E por incrivel que possa parecer tem gente que ainda acredita que tudo isso é invenção dos "gringos".

Lafayette Hohagen disse...

Meu caro Juan,você foi meu indicado para o " Blog de Ouro". Siga o link www.contosdolafa.blogspot.com e siga as intruções inseridas no post.Abraços do Lafa

Daniela Figueiredo disse...

Eu ainda não havia nascido quando o homem visitou a Lua. Mas lembrei do aparelho televisor do meu avô, na época em que era criança. Era preto e branco, e tinha uma tela verde na frente, meio solta. Bem estranho. Lembro de uma vez de ter esbarrado na tal tela solta e minha avó ter chamado minha atenção. Deus me livre se quebrasse a tal tela verde! Beijos, Juan!

Maria Muadiê disse...

Juan, eu tinha 3 anos...não me lembro de nada.
bjo

Marce. disse...

Oi! Tinha 2 anos quando isso aconteceu. Fiquei morta de medo do homem da lua...lembro claramente como se fora hoje...aquele traje estranho, naquele aparelho televisor branco e preto. Cada vez que olhava a imagem chorava inconsolavelmente.( Por favor, me- disculpem os erros da escritura...sou "argentina gringa") Beijos prà turma toda!