domingo, 11 de novembro de 2007

Santa Gilda do Brega


Professora que começou a cantar nos atos da escola onde lecionava. Virou Gilda da cumbia ou da "movida tropical", o brega que curtem milhares de pessoas no Grande Buenos Aires e no interior da Argentina. Há dez anos, no topo da sua popularidade, morreu na estrada viajando entre um show e outro.
Os fãs construiram um santuário no local do acidente. Virou santa e dizem que faz milagres.
Em tempos de religiosidade pop e além do fetichismo, há uma certa beleza no encontro fraterno das pessoas ao redor do símbolo.
Gilda cantava:
"Amar é um milagre
e eu te amei"
Simples. Brega. Belo.

3 comentários:

lu-luzinha disse...

Sem religiosidade pop nenhuma, mas com luta de meninas na areia... aham! esse é o B do breggggga... Posteado por un bloguero amigo tuyo:
http://aires-buenos.blogspot.com/2007/11/en-la-boquita-de-la-botella.html
Já pensou cumbia em português? (Podria ser nuestro currito, qué tal? Y le decimos a Pepe que nos baile y nos revolee...el pelo...)

Juan Trasmonte disse...

Iiiih, Luluzinha! Ia adorar. O Pepe tem o physique du rol pra se tornar ídolo das massas do recóncavo dos próximos quinze minutos

Anônimo disse...

vica gilda por siempre!